Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MUSICPORTUGAL

Aqui, APOIAMOS O TALENTO NACIONAL!

MUSICPORTUGAL

06 de Julho, 2020

MÚSICA NOVA DO DIA I ELVIRA - SONHO AZUL

Um dos grandes clássicos da música portuguesa dos anos 80 da Né Ladeiras

Elvira revisita o icónico “Sonho Azul”, tema editado em 1982 e que ainda hoje povoa o imaginário da música portuguesa.

Elvira apresenta-se com uma versão do "Sonho Azul" e puxa o tema para a pop no novo milénio com a produção de Bruno Vasconcelos. Elvira é uma artista Portuense que em 2017, com o nome artístico Via, foi convidada por Miguel Araújo para fazer as primeiras partes dos seus concertos, com quem colaborou no single “Já Não Sei Quem Sou”. Em 2018 o grande público conheceu-a ainda no dueto com Tiago Nacarato em “Eu Não”.

Durante o período de confinamento que marca 2020, Elvira decide adoptar o nome próprio e que herdou da bisavó, cantora de ópera numa época em que as mulheres que cantavam publicamente não eram muito bem vistas. Herdou também seu arrojo e um piano de cauda que viria a fazer despertar o seu interesse pela música.

Este é o primeiro avanço para o EP a editar no final deste ano, que conta com a colaboração de Bruno Vasconcelos e Nuno Figueiredo.

 

 

elvira_sonhoazul.jpg

 

06 de Julho, 2020

SLOWBURNER - NEBULA... AQUI APOIAMOS O TALENTO NACIONAL! OUVE AQUI A MÚSICA NOVA DO ÉLVIO RODRIGUES

Élvio Rodrigues, também conhecido como Slowburner, tem música nova e chama-se "Nebula".

 

Slowburner é um projecto maioritariamente instrumental, que combina atmosferas ambiente com piano e field recordings, como podes comprovar pelo vídeo oficial que acompanha o novo single do artista. A sua música tem algumas semelhanças à estética de alguns artistas clássicos contemporâneos, como é o caso de Ólafur Arnalds e Nils Frahm.

 

"Nebula" é o resultado de algumas experiências que o Élvio fez nos últimos meses. Acabou por compor uma soundtrack e adicionar efeitos sonoros para um vídeo que gravou em 2018. Foi algo interessante para o artista, na medida em que lhe permitiu explorar uma vertente mais experimental que não tem explorado muito (ainda).

 

Ouve aqui na MUSICPORTUGAL, "Nebula", porque aqui APOIAMOS O TALENTO NACIONAL!

 

 

slowburner.png

06 de Julho, 2020

DESCOBRE AQUI O NOVO ÁLBUM DOS NORTON, "HEAVY LIGHT"

«canções ilustradas pelo seu indie rock que ilumina corações»

Foram e continuam a ser momentos difíceis para todos. Na música e na cultura, em geral, a pandemia causou incerteza para os meses que aí vinham. Os Norton, que tinham o seu álbum com saída marcada para final de março, viram-se forçados a adiar o lançamento do seu novo trabalho 'Heavy Light'. Agora, com o desconfinamento gradual, a banda albicastrense resolveu fazer o mesmo com o muito ansiado álbum que saíu no passado dia 3 de julho.
 
'Heavy Light' marca o regresso da banda aos discos e traz de volta os Norton na sua melhor forma, com canções ilustradas pelo seu indie rock que ilumina corações.


No quinto álbum de originais, a banda de Castelo Branco decidiu abrandar e olhar em volta com mais atenção, sem nunca perder a identidade, naquele que é o seu registo mais honesto e ecléctico.


"Changes", "Passengers" (vídeo que podes ver já de seguida), "1997" e "Madrugada" foram os singles escolhidos pelos Norton para a antecipação derradeira do LP. 

 

 

"Heavy Light", novo álbum, dos Norton já disponível nas habituais plataformas digitais.

 

 

norton_heavylight.png

06 de Julho, 2020

"YES, I HAVE GHOSTS" É A MÚSICA NOVA DE DAVID GILMOUR EM CINCO ANOS. CONTA COM A PARTICIPAÇÃO DA FILHA ROMANY GILMOUR

A inspiração para o tema foi o novo romance de Polly Samson, intitulado A Theatre for Dreamers

"Yes, I Have Ghosts"é a nova canção de David Gilmour em cinco anos e inclui a voz e harpa interpretada pela sua filha, Romany. A inspiração para o tema foi o novo romance de Polly Samson, intitulado "A Theatre for Dreamers".

 

Sobre "Yes, I Have Ghosts", Gilmour afirmou: "Estava a trabalhar neste tema quando se iniciou o confinamento e tive de cancelar uma sessão com cantores de coros. Mas, aparentemente, a solução estava ali mesmo e não podia ter ficado mais feliz pela forma como a voz de Romany se funde com a minha e a sua magnífica interpretação da harpa tem sido outra revelação".

 

O tema já tinha estado disponível apenas online como parte do inovador audiolivro para o romance. Polly Samson, que escreveu as letras, afirmou: "Ao colaborar com David, tal como já o fiz inúmeras vezes ao longo dos últimos 30 anos tanto com os Pink Floyd como nos seus álbuns a solo, conseguimos unir os mundos da literatura e da música para optimizar a experiência de audição e estabelecer contacto com o público de uma forma que creio que nunca foi antes conseguida".

 

A acção do romance passa-se na idílica ilha grega de Hydra em 1960 e "A Theatre for Dreamers" capta os dias enevoados e repletos de sol de uma comunidade boémia de expatriados constituída por poetas, pintores e músicos, incluindo Leonard Cohen aos 25 anos de idade.

 

Antes do confinamento devido à COVID-19, David, Polly e família iam levar "A Theatre For Dreamers" em digressão numa curta série de espectáculos que iriam conjugar palavras e música. Infelizmente, as datas da digressão tiveram de ser adiadas até junho de 2021 mas a "Família Von Trapp", como se auto-intitularam, recorreram ao Facebook Live para transmitir versões adaptadas dos espectáculos por streaming.

 

Os espectadores viram-se transportados para a ilha grega de Hydra em 1960, com leituras do livro, poesia, sessões de perguntas e respostas e música de e inspirada no romance, incluindo secções instrumentais de "Yes, I Have Ghosts" e canções de Leonard Cohen.

 

"A Theatre For Dreamers", de autoria de Polly Samsonbest-seller do Sunday Times, já se encontra à venda, com a chancela da editora Bloomsbury. (clica aqui para mais informações)

 

 

davidgilmour.png

06 de Julho, 2020

BUBA ESPINHO LANÇA O SEU ÁLBUM DE ESTREIA NO FORMATO FÍSICO A 10 DE JULHO

Buba Espinho lança, finalmente, o seu primeiro álbum no formato CD, do qual faz parte o seu êxito “Roubei-te um Beijo”, com a participação de António Zambujo. Buba traz consigo o legado de várias gerações da música tradicional portuguesa.

 

Buba Espinho tem apenas 24 anos e é natural de Beja. Desde cedo que vive e sente a música de raiz intensamente, pela mão do pai, também músico, que lhe transmitiu a importante missão de a preservar. A relação entre dois patrimónios culturais imateriais da humanidade, o Cante Alentejano e o Fado, sente-se quando o ouvimos e está bem presente neste seu álbum de estreia. Se o Cante Alentejano surge de pequeno com Buba, o Fado aparece mais tarde, mas de forma natural, como a estética que percebeu que iria cruzar em perfeita harmonia as influências das suas raízes. 

Apesar da sua jovem idade, Buba, tem já uma longa história na música, primeiro no Cante, onde integrou diversos grupos, os Adiafa, A Moda Mãe, Os Bubedanas, Mestre Cante e Há Lobos Sem Ser na Serra… Um vasto caminho que chegado a 2016, e assumindo já o seu lugar como fadista, vence a Grande Noite do Fado no Coliseu dos Recreios, tornando-se numa das mais aguardadas promessas da nova geração fadista.

É aí que decide iniciar a solo uma carreira que está há muito escrita. Faz os seus primeiros concertos a solo, explora a composição e as suas primeiras canções são gravadas. Desde então tem sido convidado regular em espectáculos de grandes nomes da música portuguesa: Rui Veloso, Ana Moura, António Zambujo, Celina da Piedade, Júlio Resende, entre muitos outros.

2020 é o ano que traz o seu primeiro disco de estúdio, e a difícil harmonia entre a juventude e a tradição, entre o interior e o litoral, o legado de gerações da música de raíz portuguesa com a coragem e determinação de arriscar e inovar.

O álbum inclui “Roubei-te um Beijo”, o primeiro single, que conta com a participação de António Zambujo no single e no vídeo. Foi escrito por Armando Torrão, cantador e autor do Cancioneiro Modas Populares do Concelho de Serpa.

 

 

Buba Espinho e António Zambujo, são conterrâneos, da mesma terra rural, onde poucos são os que arriscam, e ao ver uma personalidade como o Zambujo, a arriscar e a alcançar o sucesso, as gerações mais novas, vindas do mesmo meio, acreditem em alcançar outros e novos objetivos que não serão possíveis no interior.

Uma aventura que Buba decidiu levar por diante. Com o talento que tem, este será apenas o primeiro passo de uma carreira que tem tudo para dar muitos frutos.

Destaque ainda neste álbum para o segundo single “Olhos de Mel” e participações de Tiago Nacarato e Diogo Brito e Faro, no tema “Zefa” e de Raquel Tavares na canção “O Verão, O Alentejo e os Homens”.

Jardim Paraíso”, outra canção deste álbum, tem letra de João Monge e música de António Zambujo.

Uma viagem encantadora entre o Fado e o Cante alentejano.

 

 

Versão digital do álbum de estreia de Buba Espinho disponível nas habituais plataformas digitais e versão física disponível para compra na FNAC Portugal (clica aqui).

 

bubaespinho.png