Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MUSICPORTUGAL

Aqui, APOIAMOS O TALENTO NACIONAL!

MUSICPORTUGAL

29 de Outubro, 2020

MÚSICA NOVA DO DIA I ROCKIN'ME - FIGHT SONG

Diogo Fonseca, mais conhecido por Rockin’Me, um artista de apenas 18 anos, dá voz e alma ao tema "Fight Song", o primeiro single que promete deixar os ouvintes a quererem conhecer mais temas do músico.

 

Rockin’Me é também o responsável pela composição e criação das letras. As suas influências incluem John Mayer, the Red Hot Chilli Peppers, Young Thug, Juice WRLD, entre outros.

 

O tema foi produzido por José Sequeira e a edição ficou a cargo da SEQ Records.

 

 

fight song.jpg

 

29 de Outubro, 2020

MÚSICA NOVA DO DIA I SER - BALADA DA MEMÓRIA

O portuense Diogo Tavares, também conhecido por Ser, lançou o seu novo tema "Balada da Memória".

 

O MC e produtor Ser acaba de adicionar uma nova faixa ao seu portefólio. "Balada da Memória" é um tema que, como o próprio nome indica, viaja por sonoridades típicas de uma balada, onde o músico explora o seu lado mais sentimental.

 

Segundo Diogo Tavares, “esta faixa é a segunda do seguimento de baladas que estou a fazer. A primeira foi a balada da despedida em formato IGTV, esta é a segunda. É literalmente uma reflexão sobre a memória”.

 

No currículo, Ser conta com três lançamentos: as beat tapes “Beats With Soul” Vol. 1 e 2 e “daVID” e, ainda, o EP “Transparente”. Além destes, o músico tem participado em trabalhos do seu coletivo Caixa Cartão e, mais recentemente, produziu o beat de “Medo que Acabe”, de Tácio.

 

 

BALADA DA MEMÓRIA 2jpeg.jpeg.jpg

 

29 de Outubro, 2020

NOVO ÁLBUM DE CARLOS DO CARMO, "E AINDA...", CHEGA ÀS LOJAS NO DIA 27 DE NOVEMBRO

Em novembro de 2019, Carlos do Carmo despediu-se dos palcos com concertos esgotados há largos meses nos Coliseus do Porto e de Lisboa, no culminar do ano em que comemorou 80 anos de idade. Agora, o fadista canta os “seus poetas” e, pelas suas palavras, edita “aquele que poderá ser o último disco”.

 

“E Ainda…” é o título do novo álbum de Carlos do Carmo e chega às lojas no próximo dia 27 de novembro

 

 

“E Ainda…” nasce da intuição e da certeza de que Carlos do Carmo tinha ainda fados por cantar. Fados que, nalguns casos, nem suspeitavam que pudessem ser fados.

 

É o caso de Herberto Helder. Nas duas derradeiras páginas de “Poemas Canhotos”, o último livro que o poeta publicou em vida, o fadista intuiu uma música escondida naqueles escritos finais, e tratou de enviar o texto para que António Victorino d’Almeida confirmasse aquilo que cada célula do seu corpo já sabia: desta vez, havia de cantar Herberto Helder.

 

Herberto Helder não é o único poeta que Carlos do Carmo canta pela primeira vez neste álbum. Hélia Correia escreveu para si os versos de “Sombra”. E de Sophia de Mello Breyner Andersen descobriu a sua “Canção 2”. Já Jorge Palma entregou ao fadista uma canção sublime que é tanto “devida” quanto “de vida”.

 

Júlio Pomar, Vasco Graça Moura e Paulo de Carvalho são outros dos cúmplices de mais uma obra em que a palavra, sempre a palavra, ganha papel de destaque.

 

“E Ainda…” foi gravado ao longo de três anos e chegará às lojas na sua versão standard com 2CDs (o álbum de originais e o registo ao vivo dos Coliseu de 2019) e na versão limitada e especial, exclusivo Fnac, onde se encontra para além dos 2 CDs um DVD com o registo do concerto que marcou a despedida dos palcos do fadista e um video com uma entrevista feita ao longo da gravação do álbum e imagens inéditas de estúdio e de ensaios

 

No concerto do Coliseu dos Recreios, sala nobre da sua Lisboa, Carlos do Carmo desfiou memórias, revisitou uma carreira que teve o supremo condão de popularizar o fado junto de um público alargado que cresceu a ouvir “Os Putos”, “O Cacilheiro”, “O Homem das Castanhas”, “Lisboa Menina e Moça”, “Um Homem na Cidade” ou “Canoas no Tejo”.

 

Esse e este momento são também o de celebração de toda uma vida a trazer ao fado a quem dele desconfiava, a mostrar o fado a quem o desconhecia, a mostrar ao mundo como Portugal tinha uma canção que nasceu nas ruas e sempre as soube cantar.

 

CARLOS DO CARMO.png

29 de Outubro, 2020

PORQUE AQUI APOIAMOS O TALENTO NACIONAL, HOJE APRESENTAMOS-TE MAIS UM NOVO PROJETO MUSICAL PORTUGUÊS... CHAMA-SE "OHANNA"

OUVE AQUI OS NOVOS SINGLES, "AMANHÃ", "SÓ TU" E "MESMO LUGAR"

Os OHANNA são uma banda Pop/Reggae acabada de lançar no mercado nacional, composta por: Leomaristi dos Santos no baixo, Chris Souza na bateria e Hugo Rocka na voz.

 

O trabalho do grupo foi produzido por Leomaristi dos Santos (ANAVITÓRIA e ex-Tiago Iorc) e conta com participações de Paulo Novaes (autor do hit "Perdoa" das ANAVITÓRIA), os músicos Jeff Pinas e Mari Jacintho (guitarrista e teclista de ANAVITÓRIA, respetivamente) e do músico português Luiz Caracol. 

 

A mistura ficou à cargo de Ricardo Fernandes e Chris Souza e masterizado por Sassá Nascimento (AGIR, Fernando Daniel, Carolina Deslandes, D.A.M.A).

 

Em abril lançaram o primeiro single "Amanhã" e desde aí não têm parado com as novidades. De acordo com o plano da banda, vão lançar uma nova canção a cada "mês e meio" até dezembro, altura em que colocam no mercado o seu EP de estreia.

 

Para além de "Amanhã", já podes ouvir os novos singles, "Só Tu" e "Mesmo Lugar".

 

Descobre os OHANNA na MUSICPORTUGAL, porque aqui APOIAMOS O TALENTO NACIONAL!

Queres ver a tua música divulgada no nosso site e redes sociais? Descobre como, clicando aqui.

 

 

OHANNA.png

29 de Outubro, 2020

MÚSICA NOVA DO DIA I JOÃO CANEDO - NOSSA SENHORA DAS COISAS IMPOSSÍVEIS

Estreou na passada semana o single "Nossa Senhora das Coisas Impossíveis", que será integrado no novo álbum do João Canedo, com data de lançamento dia 6 de novembro.

Sobre "Nossa Senhora das Coisas Impossíveis": A busca incessante pelas coisas inalcançáveis, a sede de triunfo e a fadiga que os caminhos sinuosos da singularidade vão trazendo são a inspiração desta canção. "Nossa Senhora das Coisas Impossíveis" é a prece a uma santa que não existe. Pode ser vista como uma crítica em tom de ironia devido à súplica por tudo o que não se tem, enquanto nem se sabe o que fazer com o que se tem.

 

A música teve como mote um poema escrito pelo compositor:

Nossa Senhora das Coisas Impossíveis
traz-me tudo o que eu não posso ter
E tudo o que tenho
de que é que me há-de valer?
 
Já estou cansado de procurar
Já estou cansado de não ter
Já em estou cansado de correr
Eu já estou sem esperança de viver

 

 

joao canedo.jpg